quarta-feira, 22 de abril de 2015

CROMOTERAPIA: DICAS DE CORES PARA ROUPAS




Amarelo: quando necessitar o tonificar o sistema nervoso, para estimular a intuição e atrair dinheiro.
Laranja: para obter sucesso monetário.
Verde: para ganhar presente, para diminuir seu stress.
Azul: para obter harmonia, paz e tranquilidade.

Violeta: Para buscar inspiração e imaginação.

Rosa: para encontrar a felicidade e obter a simpatia.
Preto: elegância e afastar invejosos.
Marrom: é bom evitar usar roupas desta cor.


Existe em nosso corpo um local onde se encontra uma Energia muito especial, ou seja, um local onde se encontra toda as referencias de nossas Alma. Esta por sua vez é senão apenas uma Energia dentre muitas outras disposta em nosso corpo matéria. Uma vez consultada, esta Energia (Alma) pode revelar qual as cores fundamentais para nossos desejos, como: 1- Saúde 2- Prosperidade 3- Atração pelo sexo oposto e dentre outros. 

As cores indicada pela Energia da Alma terão que ser usadas por você apenas em forma de ROUPAS como: Calcinha, Cuecas, Sutiãs, Saia, Calça, Camisas e Camisetas ou outras que fique em contato direto com sua pele, no caso de uma Blusa ou Paletó não serve para obter os beneficio das Cores por estarem sobre outras peças de roupa. A cor desta Energia esta com toda a referência de sua: Vida, Pós Vida e Reencarnações. É também o local onde existe as referências das cores de cada um. As cores indicadas para você, não serve para outra pessoa, pois estas nunca são iguais ou se repetem, cada ser humano tem as suas de forma exclusivas.


O nosso mundo material é constituído de formas e cores, a cor é uma força cósmica, vital e a forma externa é somente a reprodução material de um corpo espiritual. Uma cor é essencialmente uma manifestação material da realidade espiritual, que se dá na presença da "Luz". A luz é algo que nossos olhos não podem ver, mas que torna visível toda a matéria. A luz do Sol (ou artificial), ilumina as formas e nossos olhos captam os reflexos dessa luz transmitindo através dos nossos olhos as formas e cores que são interpretadas por nosso cérebro. As cores primárias são três: Amarelo, Azul e Vermelho, todas as demais resultam de misturas das cores primárias como por exemplo:
Azul +Vermelho = Violeta,
Vermelho + Amarelo = Laranja
Azul + Amarelo = Verde.
As misturas de todas essas cores, resultam nos mais diversos tons e matizes que colorem o nosso mundo visível, existem ainda outras cores como o infravermelho e o ultravioleta que só podem ser distinguidos por meios adequados e em laboratórios, pois de todas as cores presentes na natureza o olho humano só pode perceber um pequeno espectro. Já, outros animais, têm seus olhos adaptados para perceber diversos outros espectros, como por exemplo as abelhas que se orientam pela cor ultravioleta para localizar determinada flor, o verde das folhas, é no entanto, percebido por ela como incolor.
Na era moderna um dos pioneiros nos estudos da cromatologia foi o Dr. Edwin Babbit, autor do livro " Principles of Light and Colour", no qual escreveu " Em um quarto escuro, e de olhos fechados, comecei a ver a formação do meu (ser) íntimo e depois de alguns meses estava em condições de perceber maravilhosas luzes e cores, que nenhuma linguagem poderá descrever" A "Cor" da qual estaremos falando, trata-se da manifestação da "Luz" como energia e que portanto pode ser percebida até no escuro, desde que a pessoa esteja devidamente preparada para sentir as vibrações no seu íntimo, em infinitas radiações e fluxos de correntes luminosas. São essas vibrações, radiações e fluxos de energias, que irão atuar na aura daqueles que se submetem à uma terapia pelas cores, através dos chakras e meridianos, equilibrando os seus corpos, etérico e físico.
Edgar Cayce, um místico americano de Virginia Beach, quando criança, podia ver a aura completa em torno das pessoas, como um arco-iris de cores e luzes que as envolvia, e admirou-se ao saber que os outros não a viam igualmente.



fonte:http://www.paganusaeternus.com.br/2014/04/cromoterapia-cura-milenar-pelas-cores.html#



A CROMOTERAPIA COMO TRATAMENTO


 
A cromoterapia é a ciência que estuda as diferentes cores e sua ação energética para fins terapêuticos. Ela utiliza estímulos com determinadas freqüências luminosas para restaurar, manter ou alternar as vibrações do corpo que resultam em saúde, física e mental, bem-estar e harmonia. Quando há o excesso ou ausência de uma determinada cor, ocorre o que os cromoterapeutas chamam de desequilíbrio energético, levando o organismo a responder negativamente, gerando distúrbios físicos, mentais e emocionais. 


O cromoterapeuta deve analisar detalhes, buscando associar os sintomas às causas emocionais. Na cromoterapia a cura se dá quando conseguimos ao mesmo tempo: restabelecer o equilíbrio bioenergético do organismo e eliminar a forma pensamento negativa causadora da doença.

Muitas das doenças que afetam o homem tem sua origem na aura, ou seja, as doenças se estabelecem primeiramente nos corpos emocional e psíquico (mental), que mais tarde podem somatizar causando a doença no corpo físico.

A cromoterapia não trata apenas os sintomas, ela dirige-se à causa do desequilíbrio energético, ou seja, ela atinge o campo energético dos órgão e sistemas.

Atenção: O uso das cores não dispensa o tratamento médico.

APLICAÇÃO DAS CORES

Vermelho: Corresponde ao Chacra Básico. O vermelho estimula a circulação do sangue e os nervos, permite a liberação de adrenalina e combate os efeitos nocivos do frio. É altamente revigorante, energético e excitante.

O vermelho atua sobre o sistema nervoso, dando mais confiança, coragem, iniciativa e força de vontade, fazendo superar a depressão e o cansaço. Indicado nos casos de anemia, paralisia, má circulação, pressão baixa, reumatismo, resfriado, bronquites e depressão.

É contra-indicado para temperamentos sangüíneos e coléricos, febre alta e hipertensão.

Laranja: Corresponde ao Chacra Esplênico. O laranja estimula o sistema respiratório e a fixação de cálcio. Aumenta o tônus sexual e proporciona o otimismo. Possui ação antiespamódica, alivia cãibras e dores devidas à tensão e ao estresse.

Do ponto de vista psicológico ajuda a remover repressões e inibições. Amplia a mente e a torna receptiva para novas idéias. Indicado nos casos de problemas com o baço e os rins, cálculos biliares, artrites, reumatismo, bursite, obesidade, torceduras (braço, pé, joelhos, punhos) e problemas respiratórios.

É contra-indicado para pessoas com insônia.

Amarelo: Corresponde ao Chacra Plexo Solar. O amarelo atua nos sistemas nervoso central e autônomo simpático, vitaliza os neurônios favorecendo o raciocínio e a memória. Combate a preguiça funcional dos órgãos internos, estimula o fígado e os intestinos. Vitaliza o coração e todo sistema circulatório. Favorece a defesa imunológica do organismo.

Do ponto de vista psicológico estimula o raciocínio lógico, melhora o autocontrole, favorecendo o equilíbrio e o otimismo. Indicado nos casos depressão, eczema, indigestão, constipação intestinal, problemas no fígado, vesícula biliar e diabetes.

É contra-indicado para insônia, excitação mental, nervosismo, diarréia, gastrite e alcoolismo.

Verde: Corresponde ao Chacra Cardíaco. O verde é a cor da natureza, do equilíbrio, da paz e da harmonia. Age no coração e na pressão sangüínea. Acalma e descongestiona. Neutraliza o excesso do vermelho, alaranjado e do amarelo.

Do ponto de vista psicológico, o verde trás um sentimento de renovação e vida nova. Indicado para baixar a pressão, baixar a febre, insônia, problemas emocionais, ativar o crescimento das crianças, vitalizar os órgãos do sistema digestivo, vitalizar órgãos do sistema urinário, estimular o pâncreas e nos tratamentos de câncer.

O verde não tem contra-indicação, mas devemos usá-lo com prudência e não exagerar.

Azul: Corresponde ao Chacra Laríngeo. O azul é uma cor suavizante e calmante que atua no sistema nervoso central. Possui propriedades antisépticas, refrescante e adstringente. Vitaliza as glândulas tireóide e paratireóides, além dos órgãos da garganta e do sistema respiratório.

Do ponto de vista psicológico, o azul proporciona relaxamento, paz e quietude. Indicado para problemas de garganta em geral, febres, inflamações, dores de cabeça, insolação, disfunções da hipófise e da tireóide, insônia, queimaduras e nervosismo.

É contra-indicado para resfriados, tremores de frio, depressão e fadiga.

Índigo/Anil: Corresponde ao Chacra Frontal. O índigo, assim como o azul, possui propriedade calmante e relaxante. É uma cor anestésica, antiinflamatória, anti-hemorrágica e cicatrizante. Atua no sistema nervoso central, trazendo calma e paz mental. Diminui a pressão sanguínea e os batimentos cardíacos. 

Do ponto de vista psicológico, clareia, limpa as correntes psíquicas da mente e estimula a intuição. Indicado para o tratamento de todas as dores, afecções dos olhos, ouvidos e nariz, insônia, dor de dente, eczema e acne. Não apresenta contra-indicações.

Violeta: Corresponde ao Chacra Coronário. O violeta aumenta o magnetismo pessoal. Atua de modo mais tranqüilizante no sistema nervoso simpático, exerce efeito calmante no coração e purifica o sangue, estimula o metabolismo do cálcio e atua na formação hormonal. É antiinflamatório, desinfeccionante, antiestressante. É a cor da transmutação de energias.

Do ponto de vista psicológico, o violeta possui efeito curativo sobre todas as formas de neurose. Indicado para exercícios de concentração e meditação, no tratamento de todas as moléstias mentais e nervosas, tumores, câncer, raquitismo, perturbações no baço, problemas na bexiga. Não apresenta contra-indicações.

Rosa: Cor que vibra o amor, e o desejo de prazer. Enaltece a beleza feminina. Energiza o sistema nervoso, é tonificante e purificador sangüíneo. Indicado para desintoxicar o centros nervosos, tonificar e vitalizar os nervos, favorecer a circulação de todas as cores. Não apresenta contra-indicações.

Branco: É a união de todas as cores, combinação perfeita das freqüências coloridas. Indicado para energizar todo o corpo. Não apresenta contra-indicações.

FORMAS DE TRATAMENTO

Água Solarizada
Para fazer a água solarizada você pode usar garrafas ou copos SEMPRE DE VIDRO, coloridos ou revestidos (por fora) com papel celofane. Use sempre água filtrada ou da fonte, não encher até a borda. Coloque a garrafa ou o copo no sol (entre 8 e 11 horas) para que a água possa ser energizada. O tempo necessário para energizar a água dependerá da intensidade do sol. Quando o dia está nublado ideal deixar a manhã inteira, quando o dia está ensolarado bastam 2 horas. O ideal é preparar água solarizada todos os dias, pois algumas cores deterioram-se em pouco tempo. Por exemplo as cores quentes (vermelho, laranja e amarelo) deterioram-se em 2 dias; as cores frias, podem durar até uma semana se guardadas na geladeira.

 
Lâmpadas coloridas: adaptar spots (fixo) ou bastão com bocal com lâmpadas de 25 watts com a cor necessária para o tratamento. No caso do spot fixo, as lâmpadas devem ser direcionadas para a região afetada no paciente, que pode estar deitado ou sentado.
No caso do bastão, você pode aplicar em movimentos circulares, no sentido horário, numa distância de 5 a 10 cm da pele.

Pode-se usar uma lanterna  onde as janelas coloridas são trocadas de acordo com a necessidade. O tempo de exposição de cada cor varia de 3 a 10 minutos.

                                                                         Spots

                                                                 Lanterna cromo


                                                                 Caneta cromo 



                                                       Luminária para ambiente

  Janelas coloridas: por onde os raios de sol penetram (de preferência no período da manhã), você pode colocar papel celofane na cor necessitada. Sente-se sob a projeção da luz. Tempo de exposição aproximadamente 5 a 10 minutos.


                                             Pirâmide de cobre aliada a cromoterapia



Cromoterapia como complemento no tratamento de algumas doenças

Podemos destacar os Egípcios, os Gregos, os Chineses e os Indianos no uso das cores para tratar e curar. 

Anemia: Respirar e consumir alimentos da cor vermelha. Aplicação de luz vermelha na sola de cada pé por 5 minutos, prosseguindo pelo mesmo período pela barriga da perna, joelhos, coxas e base da coluna. Encerrar a aplicação, com a irradiação da cor verde ou azul, por alguns minutos. Beber água solarizada vermelha diariamente.

Ansiedade: Tomar banhos de luz, azul e verde no corpo todo e beber água solarizada.

Asma: Respirar e ingerir água na cor laranja e ter uma atitude mental positiva e otimista. Aplicar a cor laranja no peito e na garganta, por 10 minutos. Quando apresentar melhoras, usar a luz azul na garganta por 15 minutos.

Azia: Tomar banhos de luz amarelo e verde, localizados.

Bronquite: Respirar a cor laranja e tomar suco de limão e laranja. Aplicar a luz laranja no estômago e abdome, por 10 a 15 minutos ou mais de acordo com as necessidades do paciente.

Cansaço: banhos de luz azul e verde no corpo todo.

Catarata: Respirar o raio índigo. Banhar os olhos com água solarizada índigo. Coloca panos embebidos na água solarizada índigo na fronte. Num segundo estágio, aplicar a cor índigo nos olhos e na fronte por 30 minutos.

Coceira: banhos de luz azul e verde ou compressas com água solarizada.

Conjuntivite: banhos de luz azul e violeta ou compressas com água solarizada.

Constipação: Respirar e tomar pequenas quantidades de água solarizada amarela. Aplicar luz amarela no estômago e abdome, durante 20 minutos, à noite e pela manhã.

Cortes: Aplicar água solarizada ou banhos de luz índigo para estancar a hemorragia.

Dispepsia: Respiração e ingestão de água com raios amarelos. Aplicar no plexo solar, durante 30 minutos a cor amarela, 2 vezes ao dia.

Dor de cabeça: banho de luz azul, localizado e ingestão de água solarizada, quantas vezes for necessário.

Dor de Garganta: aplicar luz azul na garganta durante 15 minutos, fazer gargarejos com água solarizada azul a cada 2 horas.

Espinhas no rosto: banhos de luz localizados azul e verde e banhos com água solarizada azul.

Falta de apetite: banhos de luz laranja, visualizar a cor laranja.

Febres: Aplicar a luz azul no centro da inflamação e beber água solarizada azul.

Flatulência: Tomar, pequenas quantidades de água solarizada amarela entre as refeições.

Friagem: banhos de luz vermelha no corpo todo.

Inflamação nos ouvidos: Aplicar luz índigo e beber água solarizada índigo, 2 vezes por dia.

Insônia: Aplicar a luz azul e índigo.

Irritabilidade: Banhos de luz, verde e azul, no corpo todo e beber água solarizada (3 copos por dia).

Queimaduras: Aplicar luz azul para aliviar a dor.

Rouquidão: Tomar água solarizada azul em pequenos goles. Aplicar luz azul na garganta a cada meia hora. Respirar o raio azul no amanhecer. 



Importante ressaltar: o Método SODIS de Solarização da Água cujo propósito é sanear a água com o sol, ou seja, matar micro-organismos e tornar a água minimamente potável, é preciso usar garrafas incolor, transparente e com as paredes o mais fina possível. O sol precisa penetrar direto, ou seja, as garrafas no telhado.
Agora, se estás com uma água já saneada a cromoterapia é um segundo processo terapêutico. Não se saneia água com garrafas coloridas, nem por trás de janelas, ok? Conceição TrucOMMM
 


 Fonte:
https://www.docelimao.com.br/site/terapias/86-terapias/1269-a-cromoterapia-como-tratamento.html
A Cromoterapia como tratamento
Acesse o conteúdo completo em: http://www.stum.com.br/conteudo/c.asp?id=1285&onde=1
A Cromoterapia como tratamento
Acesse o conteúdo completo em: http://www.stum.com.br/conteudo/c.asp?id=1285&onde=1
A Cromoterapia como tratamento
Acesse o conteúdo completo em: http://www.stum.com.br/conteudo/c.asp?id=1285&onde=1
A Cromoterapia como tratamento
Acesse o conteúdo completo em: http://www.stum.com.br/conteudo/c.asp?id=1285&onde=1

CROMOTERAPIA PARA USO EM ANIMAIS


Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
A palavra “cromoterapia” vem do grego “kromos”, cor e “terapheia”, tratamento. A cromoterapia é o uso da energia das cores para a harmonização e equilíbrio do indivíduo. Ela restaura e regenera o equilíbrio bioenergético dos campos eletromagnéticos através do uso das cores do espectro solar.
Cromoterapia é o tratamento que se faz nos corpos físico, emocional, mental e espiritual, utilizando a energia luminosa colorida, para restabelecer o equilíbrio dos chakras e do campo bioenergético dos animais humanos, dos animais não humanos e das plantas.
O ser vivente não é composto, apenas, pelo corpo físico, pois já foi constatado, através da bioeletrografia, que existe um campo eletromagnético que envolve o corpo. Esse campo foi chamado, durante muito tempo, de “aura”, por escolas místicas. Atualmente, é campo psicobioeletroenergético, ou campo bioplasmático. Em 1985, o Dr. Konstantin Korotkov, PhD em Física, na Rússia, chegou à conclusão de que o halo luminoso que aparece em torno dos corpos, em um bioeletrograma, nada mais é do que a visualização da ionização dos gases e/ou vapores, emanados por qualquer corpo, ionização essa produzida pela descarga da alta voltagem das placas das máquinas.
Na Teoria Quântica, é conhecido como “campo morfogenético” – conceito elaborado pelo biólogo inglês Rupert Sheldrake (1942-): o campo mórfico ou morfogenético funciona como um campo magnético, através do qual são transportadas as informações da luz para as células, para o DNA e para o próprio corpo. Como receptores de rádio, cada parte do corpo interpreta as informações segundo suas funções.
Tudo que tiver uma estrutura atômica possui um campo eletromagnético: animais, humanos, plantas, etc…
Não existe registro histórico sobre a cromoterapia – porém, povos antigos praticavam a terapia das cores. A energia do sol era utilizada pelos egípcios, hindus, chineses e gregos, vários séculos antes de nossa era:
Entre os egípcios (3000 a.C.) o deus Thot era considerado o mestre das core. Os egípcios possuiam templos de cura baseados no uso da luz solar, associados a complementos coloridos, e banhos de sol de acordo ao estado da pessoa e às estações do ano;
Na Índia  (3000 a.C.) através da Medicina Ayurvédica. Os hindus cultivavam Surya, o Deus-Sol, e segundo os hindus, o Prana (energia vital) está contido no ar;
Na China (2700 a.C.),  com a Medicina Tradicional Chinesa.
Segundo os chineses, a cor é o que define a existência das coisas para cada indivíduo – e é a primeira porta para o mundo;
Na Grécia (500 a.C.) através da helioterapia, que era a terapia pelos raios solares. Os gregos veneravam o Deus Hélio (o sol), considerado como “o olho do mundo”, aquele que tudo vê.
Pitágoras (582 a.C.- 497 a.C.) descobriu que as notas musicais possuem a vibração correspondente aos comprimentos de onda das cores do espectro solar: lá=violeta, si=índigo, dó=azul, ré=verde, mi=amarelo, fá=laranja e sol=vermelho.
Cromoterapia para uso em animais
A cromoterapia é natural, holística, não invasiva, não tem nenhum efeito colateral, e é segura, sendo usada em seres viventes. Os animais respondem muito bem à cromoterapia, e muitas vezes adormecem durante uma sessão de tratamento. Os animais são muito sensíveis às energias das cores.
Muitos animais não vêm a cor como vemos, mas isto não significa que eles não sejam afetados por elas.
Os seres humanos, já foram muito sensíveis à essa energia – com o advento da vida moderna, inclusive a luz artificial, os humanos ficaram menos sensíveis a essas vibrações. Contudo, os animais ainda conservam esta sensibilidade e as influências de vibrações diferentes da luz ainda afetam todas as coisas vivas em muitos níveis.
- Formas de utilização da cromoterapia para animais:
- A utilização das cores nos alimentos, que usa a própria cor dos alimentos para reequilibrar os Chakras em desequilíbrio;
- A utilização das cores em líquidos cromatizados e elixires, que consiste em utilizar a energia da luz do sol ou dos cristais, passando-a para os líquidos através de filtros coloridos e pedras e fazendo uso dela através de sua ingestão;
- A utilização de fluidos coloridos, à base de ervas e essências aromáticas, usadas isoladamente ou não, de modo a propiciar a combinação mais adequada para cada caso;
- Utilização de radiação através de lâmpadas, lanternas ou outras fontes luminosas,
Entre as diversas utilizações da cromoterapia, a mais conveniente é a aplicação de um foco luminoso diretamente sobre o animal, em um aposento escuro. A luz deve partir de uma lâmpada colorida, colocada num suporte, e irradiar-se por todo o corpo. A aplicação do foco de luz pode ser acompanhada de outras formas terapêuticas, como a Musicoterapia, Aromaterapia, Massagens, etc.;
- Cromopuntura;
- Harmonização do Ambiente no Qual Vive o Animal;
- Roupinhas (caso necessário por causa de frio).


Indicações das Cores
- Vermelho: É uma cor forte e quente. Se usado moderadamente, atrai resultados positivos. Em exagero pode se tornar incômodo e agressivo.
- Laranja:  Esta cor é a mistura do vermelho com o amarelo e transmite muito otimismo. Atrai agilidade, além de encorajar a alma.
- Amarelo:  O amarelo é a cor da inspiração, da luz. Estimula a intuição e está associado à inteligência e ao desprendimento.
- Verde: É a cor da esperança, da natureza. Está associada à regeneração, ao crescimento. Alivia o estresse.
- Azul:  Acalma e favorece a harmonia. Mas se usado em exagero pode acabar provocando desânimo.
- Violeta:  Purifica o espírito e eleva a intuição.
- Marrom:  Significa disciplina e constância. Se não for usado na medida certa pode representar excessiva dependência afetiva do animal em relação ao tutor;
- Preto:  Representa discrição, afasta a inveja, mas também absorve muitas energias. Transforma as energias negativas em positivas. É a cor do isolamento.
- Branco:  É a mistura de todas as cores. Não é a cor mais aconselhada em um momento de indecisão. Afasta as energias negativas e estimula a comunicação.
A cromoterapia consta da relação das principais terapias alternativas ou complementares reconhecidas pela OMS em 1976, de acordo com a Conferência Internacional de Atendimentos Primários em Saúde de 1962, em Alma-Ata. Essa relação foi ratificada pela OMS em 1983, através do Diretor Geral da “World Health Organization – OMS”, Dr. Halfdan Mahler, e pelo Diretor do Programa de Medicinas Tradicionais da OMS, Dr. Robert Bannerman.

Fonte: http://www.anda.jor.br/08/05/2013/cromoterapia-para-uso-em-animais

AS CORES NO ANTIGO EGITO

O ser humano nasceu rodeado de cores e começou a usá-las intuitivamente.    No antigo Egito a Medicina também empregou as cores como recursos terapêuticos, fazendo analogias entre as características dos sintomas ou das doenças e as cores através de substâncias como plantas e pedras preciosas e semipreciosas.
   A utilização das plantas era feita por folhas, flores ou raízes, em forma de infusões, chás, emplastros ou cataplasmas, triturados com mel ou óleos aromáticos, aplicados em curativos locais. Usavam as pedras preciosas ou semipreciosas para confeccionar amuletos, adereços e jóias, as quais além de atuarem pela ação da cor, exerciam sua influência benéfica pelas fórmulas mágicas que traziam gravadas.
   No tratamento da icterícia, que se caracteriza pelo aumento de bilirrubina no sangue, com deposição desse pigmento na pele e mucosa, apresentando a coloração amarelada, era usada a cor amarela para terapia, através de flores e pedras preciosas, conforme os procedimentos já mencionados.
    No caso de hemorragia, evidenciada pelo derramamento de sangue, onde se observa a sua cor vermelha, bem como de doenças cardiovasculares, utilizavam como tratamento a cor vermelha em flores e pedras preciosas.
   A cianose, que provoca uma coloração azul-arroxeada na pele, é resultante de oxigenação insuficiente do sangue e se manifesta em doenças pulmonares crônicas, como fibrose e enfisema pulmonar, e também nas doenças cardíacas, como cardiopatias congênitas ou graves, como as lesões do septo cardíaco. Essa doença era tratada com flores e pedras preciosas de cor azul.
   Todas essas práticas baseadas na utilização das cores como terapia médica levavam em consideração a analogia entre a cor com a qual se manifestava o sintoma ou a doença e a cor usada para a cura. Os médicos egípcios acreditavam na ação neutralizante das cores a tal ponto que irradiavam, de maneira localizada, a coloração idêntica pela qual se apresentava determinada patologia.
   Muitos templos no antigo Egito possuíam as Hat Ankh ou Castelos da Vida, ou ainda Sanatórios de Cura, que eram construídos em pedra ou em tijolos, onde os sacerdotes-médicos faziam os tratamentos de hidroterapia, sonoterapia, hipnose e a cromoterapia pelo uso de flores e pedras preciosas.

   Esses procedimentos eram rigorosamente supervisionados pelos sacerdotes especializados, iniciados nos mistérios da magia e profundos conhecedores dessas ervas e pedras curativas.
   As substâncias mais empregadas nos tratamentos de cura eram: estramônio, beladona (usada como antiespasmódico e como estimulante cardíaco e respiratório), meimendro, de onde se extrai os alcalóides hiocinamina e escopolamina, o ópio (suco da Papoula), cujos alcalóides são a morfina e o láudano, com efeitos anestésico, alucinógeno e narcótico. Conheciam o poder anestésico das sementes da flor-de-lótus e da papoula que, após serem torradas e moídas, eram colocadas sobre feridas. E também usavam a famosa mandrágora.

   O Templo de Kom Ombo parece ser o único que ainda conserva as Hat Ankh, que podem ser vistas na parte final do mesmo, em número de sete.
   Também no templo de Esna existe uma invocação ao Deus Knum, gravada nas colunas da sala hipóstila, que comprova terem existido as Hat Ankh:
   Como é bela a tua face quando estás na Hat Ankh curando os doentes e libertando do mal aqueles que te procuram.
   A maioria dessas construções Hat Ankh, que se situavam atrás do Templo, não existem mais, pois foram destruídas pelo tempo. O Templo de Dendera mantém vestígios dessas instalações e suas ruínas podem ser observadas do terraço do templo principal, conforme estudos do pesquisador Daumas, em 1957, que confirmou sua destinação como sanatórios de cura.
   Essas Hat Ankh egípcias foram as precursoras dos sanatórios de cura - Asclépias - que os gregos iriam fundar em seus bosques sagrados, séculos mais tarde.

   Segundo o Prof. Reuben Amber, autor do livro “Cromoterapia - A Cura Através das Cores", o Egito foi o país pioneiro no uso da Cromoterapia. Relata ele que arqueólogos encontraram em alguns templos egípcios evidências de pequenas salas construídas com uma abertura no teto de modo a permitir a entrada do Sol, onde os pacientes recebiam o tratamento.
   Relata esse professor que os egípcios também utilizavam a água solarizada como remédio.
   Tempos depois, é provável que o vidro colorido tenha sido usado em terapias assim como eram utilizadas as pedras preciosas e semipreciosas.
   Sabe-se que o vidrado era conhecido no Egito desde o Antigo império e que a primeira fábrica de vidro foi instalada em meados da XVIII Dinastia, chegando a fabricar o vidro translúcido colorido.
   Foi encontrada entre as ruínas da cidade de Akhetaton uma fábrica de vidro e diversos objetos de vidro trabalhado, entre eles o peixe colorido que se encontra no Museu de Londres, a taça de vidro amarelo que está no Museu de N.York, e a ânfora azul que se encontra no Museu do Cairo.
   
:: Principais cores usadas no Antigo Egito
   O AZUL simbolizava o céu e as águas do rio Nilo. O ANIL representava o céu à noite. Observa-se no teto de tumbas e templos o céu pintado de anil com estrelas em amarelo-ouro.
   Pedras - turquesa e lápis-lazúli.

   O VERDE é representado pelo papiro, que significa o verdor vegetal e a juventude. O papiro é o símbolo do baixo Egito - Norte.
   Os egípcios associavam o verde ao ciclo da planta e também à vida do homem, dizendo: “A árvore perde suas folhas no outono, parece morta no inverno, renasce na primavera, desabrocha no verão, tornando-se a imagem da ressurreição e da regeneração. Osiris é o símbolo deste renascimento, chamado Osiris verdejante”.
   Pedras - malaquita e esmeralda.

   O AMARELO-OURO (DOURADO) simboliza a cor do Sol. É a cor que diviniza. O ouro era considerado a carne dos imortais, representada em estátuas e jóias..
   Pedra - jaspe amarelo.

   O VERMELHO é o símbolo da vida, pois é a cor que o Sol toma no nascente e no poente.    Existe um papiro com a representação de dois leões com o hieróglifo do horizonte - akhit - que tem o Sol, em vermelho, entre duas montanhas com a cruz Ank, que é o símbolo da vida, mostrando que o ciclo da vida do homem é semelhante ao do Sol, que percorre o seu curso eternamente.
   Pedras - cornalina e grés vermelha.

Jóia em ouro com diversas pedras preciosas, salientando-se o Sol em Cornalina (vermelho) e o escaravelho em Lápis-lazúli (azul).

   Além dessas cores, os egípcios também usavam as tonalidades:
   Branco - Manifesta a pureza. Os egípcios se vestiam sempre de branco.
   Negro - Representa as transformações eternas ou as transmutações.
   Concluindo, pode-se dizer que a Cromoterapia teve origem no antigo Egito há aproximadamente 2800 anos a.C., iniciando com o uso terapêutico de flores, pedras preciosas e semipreciosas de diversas cores, conforme a sua semelhança com as características apresentadas pelas doenças.
   Posteriormente, com a fabricação do vidro colorido translúcido, e com as pesquisas médicas sobre a função das cores na recuperação de pacientes, a Cromoterapia foi adotada internacionalmente, com sucesso.




 

Fonte:

A HISTORIA DA CROMOTERAPIA

Várias foram as civilizações antigas, como a egípcia, a grega, a indiana, a chinesa e outras que fizeram uso das cores para tratamento de saúde.
   Na China e na Índia a cor era mais relacionada à Mitologia e à Astrologia. Na Grécia muitos filósofos-médicos foram absorver o conhecimento da ciência médica na fonte egípcia, com os sacerdotes-médicos.
   A Cromoterapia está intimamente ligada ao antigo Egito assim como a própria Medicina. O vínculo da Medicina ao Egito data de 2800 a.C. com IMHOTEP, considerado o Pai Universal da Medicina, pois foi ele quem escreveu os primeiros livros de Medicina, em rolos de papiros. E também foi ele quem fundou a primeira Escola de Medicina.
   Séculos mais tarde, Hipócrates (460-377 a.C.), médico grego, esteve no Egito estudando a matéria Médica com os sacerdotes-médicos, durante três anos. De retorno a Cós, sua cidade natal, fundou a primeira Escola de Medicina da Grécia e elaborou o Juramento Médico baseado nos escritos de Imhotep.
   Também o tratamento médico com o uso de cores iniciou no Egito, conforme pesquisas do Dr. Paul Galioughi, autor do livro La Médicine des Pharaons, onde relata como os sacerdotes-médicos tratavam os doentes com as cores, utilizando-se de flores e pedras preciosas.
   Então, podemos dizer que a Cromoterapia nasceu no antigo Egito; adormeceu milênios; e ressurge como uma Medicina-energética, assim como a Homeopatia e a Acupuntura.
   Diversos foram os pesquisadores do uso das cores, dos quais citamos:

   JOHN OTT - Médico e Diretor do Instituto Sarasota - Flórida/USA, que pesquisou o efeito das cores sobre tumores cancerosos. Autor do livro Health And Light;

   DINSHAH GHADIALI - Médico indiano, residente em New Jersey/USA, que estruturou a Cromoterapia em bases científicas. Autor de uma Enciclopédia, em 3 volumes, sobre a utilização das cores nas doenças;

   NIELS FINSEN - Médico em Copenhague, Dinamarca.
   Autor do livro Propriedades Actínicas da Luz do Sol. Fundou o Instituto da Luz para a cura de pacientes com tuberculose. Realizou curas surpreendentes em cerca de dois mil pacientes com a aplicação da Cromoterapia, recebendo o Prêmio Nobel, em 1903;

   RENÉ NUNES - Jornalista, Conferencista e Professor, de Brasília - Brasil (falecido em 1995), que se dedicou à pesquisa e aplicação da Cromoterapia em mais de dez mil pacientes, obtendo grande índice de recuperação. Autor de diversas obras, das quais cito Cromoterapia Técnica. Foi o grande divulgador da Cromoterapia como ciência médica-energética no Brasil e no exterior.


   Define-se Cromoterapia como a ciência que utiliza as cores do Espectro Solar para restaurar o equilíbrio físico-energético em áreas do corpo humano atingidas por alguma disfunção.
   As 7 cores do Espectro são:
       - VERMELHO
       - LARANJA
       - AMARELO
       - VERDE
       - AZUL
       - ANIL
       - VIOLETA


A Cromoterapia está fundamentada em três ciências:
Medicina - A arte de curar;
Física - Ciência que estuda as transformações da energia, em especial no capítulo dedicada à natureza da luz: sua origem no espectro eletromagnético e seus elementos, como comprimento de onda, freqüência e velocidade;
Bioenergética - Ciência que demonstra a existência do corpo bioenergêtico, analisando a energia vital.

   A Cromoterapia traz benefícios aos portadores de qualquer disfunção, começando por aliviar as dores e finalmente pela recuperação dos pacientes, na maioria das doenças.
   Salienta-se a eficácia da Cromoterapia no tratamento da ENXAQUECA, doença que atinge um terço da população mundial adulta, conforme estatística da OMS (Organização Mundial de Saúde). A causa principal da Enxaqueca é energética (entrada de energia cósmica pela região occipital), mas pode estar aliada a uma disfunção orgânica como tensão pré-menstrual, má digestão, sinusite, problemas de visão, obstrução das carótidas que conduzem o sangue até os neurônios, compressão das vértebras da coluna cervical, etc...
   A Cromoterapia faz o equilíbrio do fluxo energético e trata a causa física, eliminando a dor e restabelecendo a saúde após uma série de aplicações, numa média de dez a quinze.
   A CROMOTERAPIA consta da relação das principais terapias alternativas ou complementares reconhecidas pela OMS em 1976, de acordo com a Conferência Internacional de Atendimentos Primários em Saúde de 1962, em Alma-Ata. Essa relação foi ratificada pela OMS em 1983, através do Diretor Geral da World Health Organization-OMS, Dr. Halfdan Mahler, e pelo Diretor do Programa de Medicinas Tradiconais da OMS, Dr. Robert Bannerman.


Fonte:http://cromoterapia.com.br/indexx.php?cont=historico&lang=pt

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails